OAB/PR n° 10.325 | CNPJ n° 36.841.763/0001-02

A Consignação em Pagamento no Direito Tributário – Parte II

No artigo anterior foi tratado sobre a Consignação em Pagamento quanto ao que está disposto no art. 164ICTN, elencando a hipótese de houver recusa do recebimento do tributo, ou a subordinação de um para com outro tributo ou penalidade, ou ao cumprimento de obrigação acessória. Nesse artigo será tratado especificamente sobre o segundo inciso do artigo em questão.

O texto legal determina que pode ser consignada judicialmente o valor do tributo no caso de subordinação do recebimento ao cumprimento de quesitos administrativos sem fundamentação legal. Leia-se:

Art. 164. A importância de crédito tributário pode ser consignada judicialmente pelo sujeito passivo, nos casos:

II – de subordinação do recebimento ao cumprimento de exigências administrativas sem fundamento legal; (BRASIL, 1966).

Assim, não é cabível ao Fisco efetuar exigências administrativas sem fundamento legal, impedindo que o sujeito passivo realize o pagamento do tributo; um exemplo é o fato de algum município exigir o IPTU em determinada hora na sede da prefeitura (Novais, 2018, p. 392).

Segundo Coêlho (2018, p. 613), o art. 164CTN estaria contrariando o art. 163CTN, porquanto, se o sujeito passivo deseja pagar o tributo, ele está autorizado a consigná-lo no caso de o Fisco subordinar o pagamento de determinado tributo ao outro, não sendo relevante se é devido ou não. Leia-se o art. 163caputCTN:

Art. 163. Existindo simultaneamente dois ou mais débitos vencidos do mesmo sujeito passivo para com a mesma pessoa jurídica de direito público, relativos ao mesmo ou a diferentes tributos ou provenientes de penalidade pecuniária ou juros de mora, a autoridade administrativa competente para receber o pagamento determinará a respectiva imputação, obedecidas as seguintes regras, na ordem em que enumeradas:

I – em primeiro lugar, aos débitos por obrigação própria, e em segundo lugar aos decorrentes de responsabilidade tributária;

II – primeiramente, às contribuições de melhoria, depois às taxas e por fim aos impostos;

III – na ordem crescente dos prazos de prescrição;

IV – na ordem decrescente dos montantes. (BRASIL, 1966).

Lembrando que a legislação tributária prevê que a consignação somente extingue o crédito tributário quando do julgamento procedente e o prévio depósito convertido em renda para o sujeito ativo, contudo, se for julgada improcedente, cobra-se o crédito acrescido de juros de mora, conforme está previsto no art. 164§ 2ºCTN.

Referências

BRASIL. Lei nº 5.172 de 25 de outubro de 1966. Código Tributário Nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5172.htm>. Acesso em: 7 fev. 20.

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Curso direito tributário brasileiro. 16. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

NOVAIS, Rafael. Direito tributário facilitado. 3 ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2018.

Fonte: https://jezerm.jusbrasil.com.br/artigos/813687016/a-consignacao-em-pagamento-no-direito-tributario-parte-ii

Translate »